22 de Outubro de 2008

Outro poema de Alda Lara, sacado do Cais de Poemas, um espaço muito especial

 

E apesar de tudo,
Ainda sou a mesma!
Livre e esguia,
filha eterna de quanta rebeldia
me sagrou.
Mãe-África!

Mãe forte da floresta e do deserto,
ainda sou,
a Irmã-Mulher
de tudo o que em ti vibra
puro e incerto...

A dos coqueiros,
de cabeleiras verdes
e corpos arrojados
sobre o azul...
A do dendém
Nascendo dos braços das palmeiras...

A do sol bom, mordendo
o chão das Ingombotas...
A das acácias rubras,
Salpicando de sangue as avenidas,
longas e floridas...

Sim!, ainda sou a mesma.
A do amor transbordando
pelos carregadores do cais
suados e confusos,
pelos bairros imundos e dormentes
(Rua 11!... Rua 11!...)
pelos meninos

de barriga inchada e olhos fundos...
Sem dores nem alegrias,
de tronco nu
e corpo musculoso,
a raça escreve a prumo,
a força destes dias...

E eu revendo ainda, e sempre, nela,
aquela
Longa história inconsequente...

Minha terra...
Minha, eternamente...

Terra das acácias, dos dongos,
dos cólios baloiçando, mansamente...
Terra!
Ainda sou a mesma.

Ainda sou a que num canto novo
pura e livre,
me levanto,
ao aceno do teu povo!

 

Benguela,1953(Poemas,1966)

 

publicado por Praiamorena às 10:30

Embalos suaves, estes, de poesia e atenção pela pluralidade de leituras que se estabelece com um recanto que vai conquistando...


.-)
23 de Outubro de 2008 às 06:54

feedback
As histórias andam sempre aqui, a vagar pela mente...
Olha! a Praia Morena voltou :) Já tinha saudades d...
Passado um mês... sim, a vida merece pausas de si ...
Isso é bom! O importante é que se consiga ir volta...
Há dias em que por mais que se queira as coisas nã...
Olá "chato" :) (desculpa ter tomado a liberdade)Va...
:) estamos de volta? Gosto imenso!!! vou esperar p...
Este é o teu blogue pessoal, publicas e promoves o...
As mudanças fazem parte dos processos evolutivos, ...
http://www.peticaopublica.com/?pi=P2009N575PODE HA...
pesquisar
 
baú
blogs SAPO